Publicidade

Encontrar Limeira - Interior - Brasil
Aquele que tem sede venha e beba da água da vida...

   
          a    
 
   
 
   
Brasão  
a
   
Bandeira  

Arábia Saudita - Capital: Riade
Página Oficial: http://www.asinah.net/saudiarabia.html 

   MASJID AL NABAWI MEDINA
 


ÁREA RESIDENCIAL EM DHAHRAN

A Arábia Saudita é o maior país da Península Arábica, situada no Médio Oriente, limitado a norte pela Jordânia, Iraque e Kuwait, a leste pelo Golfo Pérsico (através do qual tem fronteiras com o Irão e o Bahrein), Qatar, Emirados Árabes Unidos e Omã, a sul pelo Iémen e a oeste pelo Mar Vermelho e o Golfo de Aqaba, através dos quais faz fronteira com o Egito, servindo o Mar Vermelho, também, de ligação à Eritreia e ao Sudão. Capital: Riade.


História
Muitos povos tem vivido na península ao longo de mais de 5000 anos. A cultura Dilmun, ao longo da costa do Golfo, era contemporânea dos sumérios e dos antigos egípcios, e a maior parte dos impérios do mundo antigo estabeleceu trocas comerciais com os estados da península.

A fundação do Islã por Maomé no ano de 620 da era atual e a subsequente importância religiosa das cidades árabes de Meca (também conhecida como Makkah) e Medina concederam aos governantes desse território considerável influência além da península.


O Estado Saudita surge na Arábia Central em 1744. Um chefe local, Muhammad bin Saud, uniu forças a um reformador do Islã, Muhammad Abd Al-Wahhab, para criar uma nova entidade política. O moderno Estado Saudita foi fundado pelo último Rei Abdul Aziz Al-Saud (conhecido internacionalmente como Abdul Aziz Ibn Saud). Em 1902, Abdul Aziz Ibn Saud capturou Riade, a capital ancestral da dinastia de Al-Saud à família rival Rashid.

Continuando estas conquistas, Abdul Aziz subjugou Al-Hasa, o resto do Nejd e do Hijaz entre 1913 e 1926.


 

A 8 de Janeiro de 1926 Abdul Aziz Ibn Saud torna-se Rei do Hijaz. A 29 de Janeiro de 1927 ele tomou o título de Rei do Nejd (seu título Nejdi anterior era de Sultão). Pelo Tratado de Jidá, assinado a 20 de Maio de 1927, o Reino Unido reconheceu a independência do reino de Abdul Aziz (então conhecido como Reino de Hijaz e Nejd). Em 1932, estas regiões foram unificadas como o Reino da Arábia Saudita. A descoberta de petróleo em 3 de Março de 1938 transformou o país.

 

As fronteiras com a Jordânia, o Iraque, e o Kuwait foram estabelecidas por uma série de tratados negociados nos anos de 1920, que criaram duas "zonas neutras" -- uma com o Iraque e outra com o Kuwait. A zona neutra Saudita-Kuwaitiana foi administrada conjuntamente em 1971, com cada Estado partilhando igualitariamente os recursos petrolíferos da zona.

 

Tentativas de acordo para o compartilhamento da zona neutra Saudita-Iraquiana chegaram a um termo em 1981, sendo finalizadas em 1983. A fronteira sul do país com o Yemen foi parcialmente definida em 1934 Tratado de Taif, pondo fim a uma breve guerra fronteiriça entre os dois Estados. Um tratado adicional assinado em Junho de 2000 delineou porções da fronteira com o Yemen. A localização e status da fronteira da Arábia Saudita com os Emirados Árabes Unidos não está finalizada; a fronteira de facto reflete um acordo de 1974. A fronteira entra a Arábia Saudita e o Qatar foi definida em Março de 2001. A fronteira com Oman ainda não está demarcada.

 

Durante a guerra árabe-israelense de 1973, a Arábia Saudita participou do boicote do petróleo árabe aos Estados Unidos e aos Países Baixos. Como membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEC), a Arábia Saudita juntou-se a outros países-membros elevando moderadamente o preço do petróleo em 1971.

 

Em 1990-91, o Rei Fahd desempenhou um papel-chave antes e durante a Guerra do Golfo: a Arábia Saudita acolheu a família real kuwaitiana além de 400.000 refugiados e ao mesmo tempo permitiu a entrada de tropas ocidentais e árabes em seu território para a liberação do Kuwait no ano seguinte.

 

Quando o então Rei Fahd sofreu um enfarte em novembro de 1995, o seu sucessor, então Príncipe Herdeiro Abdallah, assumiu muitas das responsabilidades rotineiras da condução do governo.

País do Sudoeste da Ásia. Ocupa 4/5 da península Arábica e estende-se por 1950 km, de noroeste a sudeste, e por 1240 km, de sudoeste a nordeste.

 

É o maior país árabe, com uma superfície de 1 960 582 km². Está limitado pela Jordânia, pelo Iraque e pelo Koweit, a norte; pelo golfo Pérsico, pelo Qatar, pelos EÁU e pelo Omã, a leste; pelo Iémen, a sul; e pelo mar Vermelho, a oeste. As cidades mais importantes são Riad, a capital, com 3 822 600 habitantes (2004), Jeddah (2 817 700 hab.) (2004), Meca (1 691 100 hab.) (2004), Medina (867 900 hab.), Dammam (721 100 hab.) e Taifa (688 800 hab.) (2004).

 

A maior parte do território da Arábia Saudita é quase toda constituída por desertos.

 

Divisão administrativa. 13 provincias (mintaqat, singular - mintaqah)
Al Bahah,

 

Al Hudud ash Shamaliyah,

 

Al Jawf,

 

Al Madinah,

 

Al Qasim,

 

Ar Riyad,

 

Ash Sharqiyah ,

 

'Asir,

 

Ha'il,

 

Jizan,

 

Makkah,

 

Najran,

 

Tabuk.

 

Demografia
O árabe padrão é a língua oficial. A população fala duas variedades coloquiais desta língua: o árabe do Hijaz (42%), na zona ocidental do país, e o árabe Najd (56%), na zona oriental.

 

Cultura
A cultura da Arábia Saudita assenta, praticamente, no Islão. Dois dos locais mais sagrados situam-se neste país, o qual se considera o berço da religião. O Islão é uma religião monoteísta, cujo livro sagrado é o Alcorão. Um dos rituais populares mais famosos da Arábia Saudita é o Ardha, a dança nacional. Esta dança da espada baseia-se nas antigas tradições beduínas: os tambores ecoam em uníssono acompanhando a voz de um poeta que canta em verso, enquanto homens de espada em punho dançam lado a lado.

 

Área residencial em Dhahran

A extracção e exportação de petróleo constitui a actividade económica mais importante, sendo a Arábia Saudita o maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Também são produzidas quantidades significativas de gás natural.

 

Até há pouco tempo, a produção agrícola era limitada pela inexistência de água e pela grande salinidade do solo. Agora, graças à irrigação, a Arábia Saudita tornou-se num grande produtor de trigo. A tâmara, o tomate, a melancia, a cevada, a uva, o pepino, a abóbora, a berinjela, a batata, a cenoura e a cebola são também culturas importantes.

 

Os principais parceiros comerciais da Arábia Saudita são os EUA, o Japão, o Reino Unido, a Alemanha, a França e a Coreia do Sul.

 

A Arábia Saudita é um grande destino de imigração proveniente do sul e leste da Ásia e de África Oriental, principalmente trabalhadores não especializados.

 

Religião
A Arábia Saudita foi o lugar de nascimento do Islão. Atualmente, a sua constituição é baseada no Alcorão. A tendência predominante é a estricta via do Wahhabismo, dentro do Islão Sunita.

A prática pública de qualquer outra religião que não o Islão é proibida. Esta intolerância é alvo de várias críticas de várias entidades no resto do mundo. Por exemplo, em 2003, um relatório da U.S. Commission on Religious Freedom (comissão para a liberdade religiosa), uma organização estatal americana que investiga as violações à liberdade religiosa no mundo, chamou à Arábia Saudita de o maior violador das liberdades religiosas.

 

Vários casos, entre os quais o caso recente do professor Mohammad al-Harbia, um professor da escola secundária saudita condenado a 40 meses de prisão e a 750 chicotadas em público por ter discutido a Bíblia e ter dado uma imagem positiva do Judaísmo aos seus alunos, têm originado uma condenação pela opinião pública internacional.

 

Links em destaque:
Fotos
Ministério da Educação
 
Turismo I

  

Matérias e fotos extraídas do site www.tiosam.com, 
alguns textos podem ter sido modificados por nossa equipe.

Estude a Bíblia e descubra coisas maravilhosas sobre DEUS e o seu mundo espiritual, para não deixar se enganar. 
Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. (Mateus 6:20)

 

   
  Encontrar Limeira - Desde 2001 online